Foto por: SãoSebá.com

Do jeito que está, nem depois de morto o brasileiro pode descansar em paz. A legislação dos cemitérios do país possui imprecisão de datas e muitas leis, mas a única certeza é que esses locais estão lotados em diversos municípios, os quais adotam medidas para tentar solucionar o problema.

Em São Sebastião, desde o início de março, todo morador que tiver um ente querido sepultado no Cemitério Municipal, na região central da cidade, entre os anos de 2012 e 2014, deve comparecer na administração do local para solicitar a exumação do corpo. A medida é válida para todos os falecidos após três anos do enterro, prazo descrito em lei. “O objetivo é tirar o corpo da gaveta. A família pode solicitar a troca para o ossário geral, jazigo, ou comprar uma urna particular perpétua”, disse a chefe da divisão dos cemitérios, Cléssia Barreto dos Santos.

Uma “urna particular” custa a partir de R$ 350. A família deve comparecer ao local para acompanhar a exumação. “Caso queira colocar os restos mortais em urnas perpétuas, é só combinar com a administração do cemitério”, completa Cléssia, que ainda acrescentou: “As famílias assinam um termo de conhecimento da exumação após três anos do sepultamento”.

Até ontem, aproximadamente 30 famílias da cidade compareceram ao Cemitério Municipal para solicitar o procedimento. Depois de solicitado, o prazo é de cerca de 40 dias para concluir toda a exumação.

Além das urnas e gavetas, os corpos podem ser sepultados no ossário e em jazigos que comportam até três ossadas da mesma família. Apesar de lotado, a chefe da divisão de cemitérios não informou a capacidade máxima do local.

As famílias com falecidos nesse período podem obter mais informações no Velório Municipal do Cemitério Central de São Sebastião, de segunda a sexta-feira, das 8h às 12h e das 13h às 17h, exceto nos feriados. O telefone é (12) 3892-2116.

Exumados – Exumação é uma forma de cavar para retirar um corpo ou simplesmente abrir o caixão para retirar os restos mortais de uma pessoa falecida. Para grande parte das pessoas, é considerado um sacrilégio. Como a maioria dos cemitérios brasileiros possui um número limitado de sepulturas para enterrar os mortos, fazem uso do processo de exumação.